Aplicativo Sos Mulheres Tem Botão De Socorro

Aplicativo Sos Mulheres Tem Botão De Socorro

 

O governo do estado de São Paulo lançou ontem, 22, um aplicativo para facilitar que mulheres sob medidas protetivas peçam socorro à polícia. O SOS Mulher permitirá que as usuárias disparem uma mensagem de emergência à Polícia Militar com o acionamento de um botão. O serviço está disponível para cerca de 70 mil pessoas que estão protegidas por decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP).

De acordo com informações do Governo do Estado, para usar a ferramenta, é preciso baixar o aplicativo nas lojas virtuais do Google Play, para o sistema Android, e da App Store, para iPhone. Depois, será pedido um cadastro para que as informações possam ser checadas com o TJSP. O aplicativo emitirá, então, uma confirmação e o serviço poderá ser usado a partir de 1º de abril. O botão "peça socorro" é destinado apenas às mulheres e também aos homens e crianças que possuem a restrição expedida pelo órgão.

Como funciona

Após apertar por cinco segundos o botão do aplicativo "SOS Mulher" é gerado automaticamente uma ocorrência de risco à integridade física pelos Centros de Operações da Polícia Militar (Copom) em todo o Estado de São Paulo.

O atendimento será priorizado e a PM utilizará as coordenadas geográficas da pessoa, entre outros dados do cadastro, para encaminhar a viatura policial mais próxima para atendimento imediato à vítima.

Após a chegada da equipe policial no endereço, é essencial que o usuário apresente a decisão do juiz, comprovando o descumprimento da medida protetiva e as providências decorrentes.

O governo, contudo, ainda não tem uma estimativa de qual será a redução no tempo de atendimento. Por ora, a ferramenta só atenderá pessoas com medidas protetivas concedidas pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

Para se cadastrar, devem informar dados pessoais, que serão checadas pelo Judiciário. A ferramenta só será liberada para uso depois do aval do TJ.

O governo recomenda que, logo no início, seja feito um teste pelo usuário para checar se a medida protetiva consta na base de dados do Judiciário.

Durante o lançamento do aplicativo, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), voltou a falar que, até o fim do mês, dez DDMs (Delegacias de Defesa da Mulher) funcionarão 24h no estado.

Em 8 de março, Dia Internacional da Mulher, quatro começaram a operar no esquema. Ficam em Vila Clementino, Santo Amaro, Itaquera e São Mateus. Até o fim da gestão, espera que 40 DDMs operem 24h.

Questionado sobre a Casa da Mulher Brasileira de São Paulo, centro de atendimento a mulheres vítimas de violência cuja abertura se arrasta há anos, Doria afirmou que a previsão é de que comece a funcionar em julho. No Brasil, outros seis estados contam com a Casa.